07 de abril – Dia Nacional de Combate ao Bullying e à Violência na Escola

Foi criado em 7 de abril de 2016, o dia Nacional de Combate ao Bullying e à Violência nas Escolas e tem como objetivo chamar a atenção para a questão do bullying e inspirar a reflexão sobre o tema. Sancionada na data exata do massacre de Realengo que ocorreu no ano de 2011, a Lei nº 13 277/2016 estabeleceu e reforçou mais compromisso com a intimidação e prevenir o bullying ou qualquer tipo de ação semelhante.

O Ministério da Educação por meio da plataforma MEC RED (Recursos Educacionais Digitais), que coleta informações de diversos parceiros, disponibiliza vídeos, animações, infográficos e outros recursos para a educação. Mais de 170 materiais de combate ao bullying podem ser encontrados na plataforma vermelha do MEC, como o infográfico bullying – #ÉdaMinhaConta, criado em linguagem específica para o Ensino Fundamental I (1º ao 5º ano) e a série de vídeos de cidadãos digitais, que falam sobre a ameaça e Discriminação no ambiente digital e explicar por que é muito importante falar sobre isso.

Bullying, também conhecido como intimidação sistêmica, é “qualquer ato deliberado e repetitivo de violência física ou psicológica, cometido por um indivíduo ou grupo sem motivação aparente, contra uma ou mais pessoas com o objetivo de intimidá-las ou prejudicá-las. dor e sofrimento, numa relação de desequilíbrio de poder entre as partes”, conforme definido pela Lei nº 13.185/2015, que instituiu o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying).

De acordo com o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) de 2018, 29% dos estudantes brasileiros relataram sofrer bullying. A média da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) é de 23%, e um ambiente inaceitável afeta o desempenho dos alunos.

De acordo com a Lei nº 13.185/2015, importantes objetivos foram estabelecidos, mostrando um caminho mais correto a ser seguido no combate ao bullying. No ambiente escolar, o objetivo é capacitar professores e equipes pedagógicas para implementar ações de discussão, prevenção, orientação e resolução de problemas.

Também mandatada por lei, há a necessidade de integrar os meios de comunicação de massa com as escolas e a sociedade para identificar e conscientizar sobre o problema e como preveni-lo e combatê-lo. Nos casos em que vítimas e/ou agressores são identificados, a administração escolar e/ou os responsáveis ​​pelos direitos dos envolvidos são incentivados a denunciar e abordar esses casos imediatamente para servir de modelo e reafirmar suas ações para outros alunos.

Até Breve

Por: Victor Tarsitano

Gostou do Conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp